quinta-feira, 25 de setembro de 2008

O que sua bike, seu bife e seu carro tem comum?

Estes dias o site CMI Brasil destacou que 22 de setembro foi o Dia Mundial Sem Carro, uma data comemorada em mais de mil cidades no mundo para que se lembrar que a poluição causada pelo automóvel é responsável por grande parte da degradação do meio ambiente.

Mas também é preciso lembrar que não apenas usar uma bicicletinha faz bem pra saúde e pro bolso, que gasta-se menos com gasolina, estacionamento, seguro, depreciação etc., mas que Estados Unidos e China juntos ainda são os maiores responsáveis pela poluição no mundo todo. A Europa tem sua grande contribuição mas trata-se de países com pouco espaço para expansão econômica ou aproveitamento territorial, baixo crescimento demográfico ou em alguns casos, negativo, o que torna mais simples administrar a redução da emissão de CO² do que em amplas áreas livres e inexploradas.

A revista Carta Capital destacou em abril deste ano o fetiche em torno das feras de metal: “Assim como os antigos sacrificavam colheitas, gado e até os filhos a ídolos e ícones aos quais seus sacerdotes atribuíam poderes imensos e uma profundidade insondável, a humanidade da era industrial sacrifica tempo, espaço, riquezas naturais e, às vezes, as próprias vidas a essas máquinas às quais os publicitários atribuem virtudes igualmente mágicas. Até as guerras empalidecem ante as estatísticas do trânsito, sem que isso inspire tanto horror quanto seria de esperar. Trata-se de sacrifícios humanos socialmente aceitos.”

E nós, brasileiros, líderes natos da América Latina (pergunte ao casal Kischner ou aos "muy amigos" Evo Moralles e Hugo Chaves) também fazemos parte dessa liderança de poluidores. Sim, porque anualmente destruímos cerca de 9.495 km2, e somente em abril, 1223 km2 de floresta foram destruídos na Amazônia, segundo dados obtidos por satélite pelo Deter, sistema de detecção do desmatamento em tempo real.

Olhemos estes números: somente os 11 (que time hein) maiores desmatadores andaram acabando com 50,4 mil hectares da floresta amazônica ilegalmente. A área é superior à da capital gaúcha, Porto Alegre, e corresponde a mais de 61 mil campos de futebol, nas maiores dimensões permitidas pela Fifa.

O grande responsável por isso é o gado e a agricultura para exportação (as famosas commodities: soja, milho transgênico, celulose, açúcar, etanol, madeiras nobres) mas não culpem as vaquinhas, a pecuária justifica isso dizendo que o brasileiro precisa comer carne, o mercado demanda e o governador Mato Grosso, o “Rei da Soja” Blairo Maggi, já explicou tudo de forma clara e explícita: “Não se faz agricultura sem destruir a floresta”.
Poderíamos minimizar, produzir menos para exportar, até porque, quem enriquece não é o povo ou a soberana nação nem tampouco sou vegetariano, embora me pareceu uma prática um tanto civilizada quando fiquei sabendo da conta de que precisamos de cerca de 10 quilos de vegetais para cada um quilinho de carne que consumimos, porque os vegetais são usados para alimento dos bichos, fora a área previamente desmatada, como já mencionado (ver Le Monde Diplomatique Brasil, A Fome Que Dá Lucro”, ed. maio/2008).

Se cuidássemos tão somente de nossa terrinha, seríamos ótimos exemplos e não precisaríamos bancar os engajados como a intelligentsia neoliberal gringa assim o sugere que façamos.
Eles já destruíram as reservas naturais deles através dos séculos e ainda nos acusam de poluir tanto em tão pouco tempo. A China que o diga.

Oras, nossos políticos dizem que a poluição não existe em grau tão alto assim e nós votamos neles, será que não merecem crédito? Ou nós, povo, não merecemos crédito? Nossa ilustre ministra do Meio Ambiente Marina Silva, entregou o cargo por "conflitos com outros ministérios, como a Casa Civil e a Agricultura, em questões que opõem a proteção ambiental a interesses econômicos". Ou seja, parece que quem queria defender o verde do Brasil teve que sair pois alguns líderes do governo atual não pensam assim. Será que ela estava certa afinal?

Carro, bikes, pecuária, desmatamento, política... as coisas se interligam né?

Como assim, quem é Marina Silva???

Um comentário:

diogo disse...

a ministra devia ter falado enquanto tava no cargo e não quando saiu, dai ines é morta....